A nova coleção da C&A não é genderless

Foto: Divulgação
A C&A lançou uma nova coleção de roupas que, teoricamente, são genderless, isso é, são sem gênero e "podem" ser usadas por mulheres e homens. Porém, o que é mostrado no vídeo de divulgação deles (que é muito bem produzido, por sinal), é uma mulher colocando uma cueca e um homem com um vestido (ou blusa) feminino. Opa!

Foto: Divulgação
E não pára por aí, as seções do ecommerce traz a nova coleção bem dividida sobre o que é masculino e o que é feminino. Xii!

Foto: Divulgação
Tem cheiro de coisa errada no ar, né non?

Assista ao vídeo:


Esse tipo de campanha me preocupa bastante, pois distorce a visão de pessoas que não tem muito contato com o assunto e com o movimento feminista, LGBT ou qualquer outro que lute pela igualdade de gêneros. É passada a impressão de que: "ah, genderless é homem vestido de mulher e mulher vestido de homem, mas eu já fazia isso com meus/minhas amigxs há tempos" e, bem, não é isso MESMO.
Peças da coleção da Zara/ Foto: Divulgação
No início do mês a Zara lançou uma coleção sem gênero, a Ungendered, que ficou disponível apenas no ecommerce (!) e apenas em alguns países (!!). Mas já retrata um pouco melhor o que seria o genderless, apesar de as roupas terem um tom "somos feitas para homens, porém as mulheres podem usar se quiserem". Sei lá, me incomodou um pouco hahaha Quero dizer, faltaram uns vestidinhos, umas "brusinhas" minha humilde opinião, ok? Ok.
 
E você, o que pensa a respeito dessa nova moda? É hot ou ainda tem o que melhorar?

xoxo

Ah, aproveita pra me seguir nas redes sociais:

Facebook
Instagram
Twitter

2 Comentários

  1. Vim retribuir sua visita e conhecer seu blog. Uma bermuda ou camisa acho legal, mas não curto homem de vestido.
    Bjs❤
    Abrir Janela

    ResponderExcluir
  2. Eu acho que ainda vai demorar muito para uma marca realmente acertar em tudo, e o dobro para a sociedade aceitar a marca, hahaha. Não acho que a intensão dessas coleções sejam ruins, acho que eles estão realmente tentando, por mais falhas que sejam ainda. Podemos e devemos reclamar disso, mas o que não podemos é bombardeá-las a ponto de fazê-las desistirem e voltarem para as coleções mais separatistas possíveis.

    literarizandomomentos.blogspot.com

    ResponderExcluir