hoje morremos aos poucos



ontem, 28 de outubro de 2018, Jair BoIsonaro foi eleito presidente do Brasil. a comemoração parecia que finalmente éramos hexacampeões mundiais na Copa do Mundo: foguetes, buzinas, fogos de artifício, gritaria, hino nacional e muita comemoração.

ontem, 28 de outubro de 2018, pessoas comemoravam a vitória de um homem racista, machista, homofóbico, que defende a ditadura, que disse que seus filhos foram muito bem educados por não se relacionarem com mulheres negras e/ou homossexuais. um homem que está há 28 anos na política e não foi produtivo ou proativo para melhoria social. um homem que disse que ou "as minorias se adequam ou simplesmente desaparecem".

ele também já xingou uma jornalista de idiota e já foi condenado por ataques racistas, disse também que o erro da ditadura foi torturar e não matar. inclusive, já homenageou diversas vezes, coronel Ustra.

para quem ainda não sabe, Carlos Alberto Brilhante Ustra foi um torturador da ditadura brasileira (uma das mais sangrentas da América Latina, diga-se de passagem!). ele era um pervertido. adorava machucar e tinha uma predileção especial por mulheres. estupros eram quase sua especialidade. Ustra inseria ratos na vagina de mulheres. ratos!

eu, enquanto mulher e publicitária sou minoria (nem sou uma minoria tão pequena assim) e tenho muito medo do que o governo BoIsonaro representa. tenho muito medo da sensação de poder que essa vitória dá a todos os tipos de preconceito que vemos por aí.

em menos de 24h do resultado das eleições já tivemos mortes: de crianças, de homessexuais. já recebi uma infinidade de mensagens sobre pessoas que foram ameaçadas, de pessoas perguntando se já está liberada a "caça aos gays" e tem quem ache tudo isso normal. desde que não fosse eleito o PT, está tudo bem, não é mesmo?

parece que o Haddad não foi eleito de birra. não acredito que ele fosse a solução de todos os problemas brasileiros, o PT estava realmente a muito tempo no poder e ao mesmo tempo que vi ações sociais incríveis, vi empresas fechando e pessoas sofrendo (inclusive eu, por um tempo) com o desemprego.

agora, eu não entendo de política, o básico talvez. porém nessas eleições me preparei, estudei e escolhi meus candidatos. mas quando tivemos um segundo turno entre BoIsonaro e Haddad, não entendi porque as pessoas tinham dúvidas. de um lado tivemos um professor universitário, do outro uma homem que afirmou não entender de economia e que foi expulso do exército (quão ruim precisa ser uma pessoa para ela ser expulsa do exército?).

na verdade, BoIsonaro foi repudiado pelo Papa, Madonna, Times, The Economist e praticamente resto do mundo, mas foi escolhido pelos brasileiros, por meio de fake news no WhatsApp - acho que isso diz muito sobre o tipo de povo que somos.

eu gostaria de estar errada, eu quero estar errada, sobre o que esse resultado representa. tomara que eu esteja, que o Brasil dê uma virada sensacional e se torne um país modelo até 2022. mas por enquanto, serei resistência.



"apesar de você, amanhã há de ser outro dia"

e se alguém quiser escutar uma musiquinha boa, para relembra o quanto o povo brasileiro também pode ser valente, achei essa playlist ótima:








0 Comentários